segunda-feira, 12 de outubro de 2009

Querer

E se eu quiser te ver
E se eu quiser te ter
E se eu quiser?
Te perturbar te sacudir te tirar daí
Te apresentar um outro mundo
E se eu quiser te levar pro meu sonho
Um lugar distante do seu passado
Te trazer pro meu presente
Meu lugar, tão diferente do teu...
Desapegado
Com o coração pronto na mão
Fervente.
Mas acordo ciente
De seus outros caminhos
Suas outras escolhas
E mantenho nossas pequenas coisas
Num lugar ainda seguro
Quase escuro
Mas dói.

quarta-feira, 30 de setembro de 2009

desatinei de novo

Desatinei
Abri o véu
O zíper
Até cantei... desafinando o desafinado
Como sempre.
E me flagrei destemperada gargalhando
Ao seu som
Que pareceu com o dum mar
Distante...

esclarecimentos sobre nova inspiração

Seu cheiro
Seu gosto
Seu som
Permanentes por aqui...
Sua textura temperatura e obsessões
Se fixaram
Na memória...
Ter pra crer que existe sensibilidade aflorada
Riso solto... fácil
Medos assumidos
Assumidas pulsões
Pulsações distintas diversas misturadas
Num compasso de beijo molhado
Sem espaço de tempo determinado
Pra ter ou não ter
Mais.
Mas não importa

sexta-feira, 7 de agosto de 2009

Desatei...

outra Lua...

e eu aqui de novo... espantosa repetição... não? que coisa rara por aqui!olho pra ela agora que divinamente cheia, transborda, e eu me confesso.
Tttttttttttttttrágica, belicosa e arredia...
Cafona, romântica e latina
mas paciente.................
pedinte............
desejosa
sempre.

quarta-feira, 5 de agosto de 2009

Lua Cheia

Não tô com medo de rir... tá tudo tão convidativo... eu não sou muito receptiva ...sou arredia resisto. E as coisas que eu mais quero... resisto. Eita danado de medo! O perseguidor! Me irrita sabia. Fico aqui falando uma língua que ninguém entende. Muda. Com tanta coisa outra pra dizer. E como se falasse outra língua falo sozinha e aí falo pra lua... pra aquela tua... Ai inspiração danada essa... moleca fica insistindo por aqui só pra me ouvir falar de você. Meio envergonhada meio sem graça um pouco confusa reticente em ser precipitada... me encolho... recolho.

domingo, 7 de junho de 2009

Deusas de Bressani





Euá

Um gigante réptil apareceu numa cabana elevada numa estrutura rústica de bambu. Era uma casa linda. Um quintal repleto de árvores muito frondosas. A casa estava cheia, alguns dormiam outros passeavam. Alguns tomavam vinho lá fora. Era quase o crepúsculo e ela já nos rondava. De alguma maneira eu sabia que ela estava lá mas mesmo assim adormeci... não sabia que ela seria capaz de invadir a casa numa hora tão imprópria. Acordei fugindo como um igual de sua investigação inadequada... Eu passeava acordada e em sonho por dormentes flutuantes... como por um rio caudaloso e divino e via seu corpo de cima rastejando cautelosamente pelo meu lar...espaço sempre público ...
Após uma longa passagem de tempo... eu não sei quanto... Tempo um Senhor que sempre faz com que eu me perca...
Me deparei com olhar dela... não sei como nomeá-la ...meu Pai me disse que era Euá... mas também não sei se é assim que escrevo como se escreve? ... Então a Deusa também atenta e nua também, me olhou... que presente!!!!!!!!...
Acordei.

terça-feira, 19 de maio de 2009

Mediterrâneo

Desatinei
Abri o véu
O zíper
Até cantei... desafinando o desafinado
Como sempre.
E me flagrei destemperada gargalhando
Ao seu som
Que pareceu com o dum mar
Distante...

segunda-feira, 11 de maio de 2009

Apagador

É tudo fogo de palha mesmo
Meu corpo estremece
Fica insano e dois dias depois nem se lembra mais de nada
Apaga os registros como quem passa o apagador no quadro negro
Negra alma inabalável essa minha
Não se apaixona mais
Não quer mais nada
Ai afetos
Chamegos
Não provocam mais por aqui turbulências
E sigo ...

Gosto

Acordar cedo... ir ao parque ver crianças, usar tênis e comer croissaints de chocolate...beber ainda mais coca cola água água de coco amanhã...ver o céu claro, o sol rachando até o nariz da gente a pele branca alva reluzindo o brilho da luz intensa
Sem cigarros horas sem cigarros
Trabalhar falar de coisas? Não só olhar o mundo ir... as horas passando voltar sentar aqui no mesmo lugar e resolver pendências sempre tenho uma pendência deixo as coisas ficarem pendentes, pesam...
eu gosto do Gosto
pode ser isso o gosto..

terça-feira, 14 de abril de 2009

insanidade

Portal dos meus ouvidos
Da minha boca
Dos meus desejos
Do meu sexo exposto
Das minhas invirtudes
Dos meus sonhos
Das minhas mãos no teu
Da minha loucura
Do meu coração
Medroso
Da minha mente insana
Do meu não querer querendo sempre tardio
Da minha insanidade
Dos meus destemperos
Da minha cabeça tonta
Da minha fome
Dos meus nos teus
Dos meus no teu
Não sei até quando
Foi até hoje
Até amanhã de outro sempre aberto exposto
Redondilhas de um verso incurado
Doença?
Armadilha...
De deuses
Sou nada mais que anfitriã
De uma festa quase sempre sem convivas
Insatisfeita permaneço com aqueles que comparecem
incompletos
divididos
inquietos e velozes
com seus próprios quereres

segunda-feira, 6 de abril de 2009

intruso

Enquanto a tempos te descuido
Não te visito
Não te olho
Nem sequer te penso
Apareces sem querer por aqui
Sempre...
Vai chegando devagar
Na imaginação
Como uma obra criada
Depois...
Vai aparecendo na minha frente
Querendo ser lembrado
Ficando
Dizendo
Olhando...
Dormindo
E pouco tempo depois
Aparecendo nos meus sonhos
De intruso